*
O que é a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) é uma pessoa coletiva de direito privado e utilidade pública administrativa, nos termos dos respetivos Estatutos, aprovados pelo Decreto-Lei n.º 235/2008, de 3 de dezembro. A tutela da SCML é exercida pelo membro do Governo que superintende a área da Segurança Social. Abrange, além dos poderes previstos nos Estatutos, a definição das orientações gerais de gestão, a fiscalização da atividade da Misericórdia de Lisboa e a sua coordenação com os organismos do Estado ou dele dependentes.
Veja o site da SCML AQUI

Mesa e Provedor
A Mesa e o Provedor são os órgãos de administração da SCML.
Atualmente, a Mesa da SCML é composta pelo Provedor, Pedro Miguel Santana Lopes, pelo Vice-Provedor, Fernando Eduardo Cabral Paes de Sousa Afonso e por três Vogais, Maria Helena Passos Rosa Lopes da Costa, Rita Isabel Morais Tomaz Valadas Pereira Marques e Paulo Sérgio Rosa Mateus Calado.
O Provedor é nomeado por despacho conjunto do Primeiro-Ministro e do membro do Governo que exerce a tutela sobre a Instituição. O Vice-Provedor e os Vogais da Mesa são nomeados por despacho da tutela, ouvido o Provedor. O mandato do Provedor, do Vice-Provedor e dos membros da Mesa é de 3 anos, renováveis por iguais períodos.

Missão e valores
Fundada em 1498, a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) procura a realização da melhoria do bem-estar da pessoa no seu todo, prioritariamente dos mais desprotegidos. É mais conhecida pela sua Ação Social e por assegurar a exploração dos Jogos Sociais do Estado em Portugal, mas desenvolve também um importante trabalho nas áreas da Saúde, Educação e Ensino, Cultura e Promoção da Qualidade de Vida.

Intervém ainda no apoio e realização de atividades para a inovação, qualidade e segurança na prestação de serviços, e na promoção de iniciativas no âmbito da economia social. Pode, a pedido do Estado ou de outras entidades públicas, desenvolver atividades de serviço ou interesse público.

As 14 “Obras de misericórdia”
Aquela que é a primeira misericórdia portuguesa surgiu na regência da Rainha D. Leonor, viúva de D. João II, com o total apoio do Rei D. Manuel I. A rainha instituiu uma Irmandade de Invocação a Nossa Senhora da Misericórdia, com "cem homens de boa fama e sã consciência e honesta vida", assumindo o compromisso de apoiar os mais desfavorecidos e levar a cabo as 14 Obras de Misericórdia:

7 espirituais mais orientadas para questões morais e religiosas:

  • Ensinar os simples
  • Dar bom conselho
  • Corrigir com caridade os que erram
  • Consolar os que sofrem
  • Perdoar os que nos ofendem
  • Sofrer as injúrias com paciência
  • Rezar a Deus pelos vivos e pelos mortos

7 corporais relacionadas, sobretudo, com preocupações materiais:

  • Remir os cativos e visitar os presos
  • Curar e assistir os doentes
  • Vestir os nus
  • Dar de comer a quem tem fome
  • Dar de beber a quem tem sede
  • Dar pousada aos peregrinos
  • Sepultar os mortos.

No presente, a SCML realiza a sua missão original de apoio aos mais desfavorecidos, mas a sua ação alargou-se ao longo dos séculos, sendo pioneira na procura de novas respostas sociais. Em face da dimensão e do trabalho ímpar desenvolvido, da sua História e da experiência adquirida, a SCML é uma Instituição de referência na sociedade portuguesa.

Áreas de Intervenção

  • Acção Social
  • Saúde
  • Educação
  • Cultura
  • Património
  • Qualidade e Inovação
  • Empreendedorismo e Economia Social
  • Centro de Investigação Científica e Aplicada