*
*
*
*
Praça do Município acolhe vigília pela paz
19-12-2015 CML/CH

Centenas de pessoas estiveram este sábado, ao final da tarde, na Praça do Município e nos Paços do Concelho de Lisboa, numa Vigília pela Paz.
O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, e o vereador dos Direitos Sociais, João Afonso, receberam em 19 de dezembro, nos Paços do Concelho, o Cardeal-Patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, líderes de confissões religiosas, e de outras instituições públicas, para um "apelo em uníssono à Paz Mundial".

Agradecendo à Cáritas Diocesana a "escolha" do local para a celebração desta vigília, Fernando Medina pautou a sua intervenção por uma defesa firme e intransigente dos valores da tolerância e "respeito pela diversidade". A cidade, sublinhou, "acolhe todas as confissões", projetando-se como "um espaço de integração e esperança para todos".

A cerimónia, "à altura da história e da tradição da cidade", é "o momento certo para afirmarmos a vergonha pelo que se está a passar na Europa", afirmou o autarca, manifestando a sua profunda indignação por um "movimento populista intolerável", que tem vindo a "transformar as vítimas em criminosos".

Lisboa, deixou bem claro, numa alusão aos refugiados que chegam diariamente à Europa, "afirma-se como um espaço de salvação das suas vidas e da construção do seu futuro".

Porque "a violência não se vence com a violência", a Praça do Município e os Paços do Concelho de Lisboa transformam-se neste dia num santuário pela paz. “10 milhões de Estrelas - Vigília pela Paz” é uma manifestação pública da Cáritas Diocesana que apelou à participação de todos e teve o apoio da Câmara Municipal de Lisboa.

Além de um "apelo à paz", a vigília pretendeu também "lembrar as vítimas da atual crise dos refugiados e de todos os que, obrigados a deixar os seus países de origem, sonharam com uma vida melhor". Uma celebração "da luta contra o medo, a xenofobia, a violência, o racismo, os muros, a exclusão e a indiferença".

Organizada pela Cáritas Diocesana, a vigília contou com a participação do Alto Comissariado para as Migrações, Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Cáritas Portuguesa, Serviço Jesuíta aos Refugiados, Observatório para a Liberdade Religiosa, Igreja Católica Apostólica Romana, Igreja Evangélica Metodista, Igreja Evangélica Presbiteriana de Portugal, Igreja Lusitana Católica Apostólica Evangélica, Igreja Ortodoxa Moldava, Comunidade Islâmica, Comunidade Bahá'i, Comunidade Hindu, União Budista, Comunidade Hindu, centro Ismahili.

No final da cerimónia, e antes da atuação do Coro de Sto. Amaro de Oeiras e do Coro Tejo, Ayad Mohamoud Alqais e a sua família - refugiados do Iraque a residir em Lisboa há 6 anos - entregaram o Círio da Luz da Paz ao presidente da Câmara e aos diversos representantes das confissões religiosas.