*
*
Autarquia reforça cooperação para melhorar saúde dos lisboetas
30-10-2015 CML/CH

Um pouco por todo o país assinala-se, neste dia 30 de outubro, o décimo oitavo aniversário da Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis - de que Lisboa é fundadora. A Câmara Municipal juntou-se a esta iniciativa e reuniu alguns dos seus parceiros locais para uma cerimónia junto ao edifício central do Campo Grande, que culminou com o içar da bandeira de Município Saudável.

João Afonso, vereador dos Direitos Sociais, e Jorge Máximo, vereador do Desporto, reiteraram o compromisso da autarquia "promover a qualidade de vida e hábitos mais saudáveis a um nível próximo das populações".

Lisboa é "uma cidade desportiva", disse Jorge Máximo, que "se quer diferente, jovem". Para o responsável do Desporto, a diversificação da oferta desportiva para os cidadãos, aliada à modernização do Parque Desportivo, tem contribuído para tornar Lisboa uma cidade mais saudável.

Em todo o mundo, "as cidades são o espaço onde vive a maior parte da população", lembrou João Afonso, para reafirmar o compromisso da Câmara Municipal de Lisboa de "assumir a promoção da saúde como uma prioridade".

Um compromisso firmado há 18 anos pela Câmara, cidade fundadora da Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis. Nos últimos anos, com as novas competências da autarquia em matéria de saúde, a autarquia tem vindo a assegurar uma cooperação com o Ministério da Saúde, para a promoção do acesso aos cuidados de saúde dos Lisboetas.

No início de 2016, avançou João Afonso, a Câmara quer ter concluído o "Plano Municipal de Desenvolvimento de Saúde e Qualidade de Vida”, um instrumento de "definição e execução de políticas, projetos e ações relacionadas com a promoção da saúde, a melhoria da qualidade de vida urbana e a prevenção das doenças na cidade de Lisboa".

Para isso, nos últimos meses, a Câmara tem promovido um conjunto de debates. Vida ativa, vulnerabilidades, cidade em envelhecimento, acesso a cuidados de saúde de qualidade, políticas no ciclo de vida, foram temas em foco, nesta “plataforma colaborativa” de promoção da saúde em Lisboa.

O projeto, coordenado por Teresa Craveiro da CML, integra uma equipa multidisciplinar da autarquia, peritos em ambiente urbano (Quercus e Lisboa E-Nova), motricidade, nutrição (Escola Nacional de Saúde Pública), Centros de Saúde, Direção Geral de Saúde, Direção Geral de Educação, e especialistas em Design Urbano. Também as juntas de freguesia foram chamadas a participar, informaram os responsáveis do projeto.