*
*
*
*
Fundação AMI e a Associação VITAE acolhem sem-abrigo
10-03-2015 CML/CH

Decorreu no dia 9 de março, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, a assinatura de dois protocolos, com a Fundação AMI e a Associação VITAE. Uma resposta ao abrigo temporário da Pessoa Sem-Abrigo.
A cerimónia contou com as presenças do vereador dos Direitos Sociais, João Afonso, da vice-presidente da Associação de Solidariedade e Desenvolvimento Internacional (VITAE), Sónia Ferreira Gonçalves, da vice-presidente da Assistência Médica Internacional (AMI), Maria Leonor Nobre, da vogal do conselho de administração, Isabel Focquet Nobre e de várias individualidades. Veja como decorreu a cerimónia

João Afonso salientou a importância do trabalho desenvolvido por estas duas instituições na Estratégia Nacional para a Pessoa-Sem Abrigo, no Plano de Cidade para a Pessoa Sem-Abrigo, bem como no Plano de Desenvolvimento Social 2013-2015, como forma de formalizar ”um novo caminho para a redução da pobreza e exclusão social num futuro possível com a participação de todos”.

Com a recente assinatura de parceria do Núcleo de Planeamento da Intervenção das Pessoas Sem-Abrigo (NPISA) e a inauguração da Unidade de Atendimento para a Pessoa Sem-Abrigo UAPSA), a funcionar no Cais do Gás, em Alcântara, prevê-se que as entidades envolvidas possam reorganizar e otimizar a rede de equipamentos e implementar o modelo de intervenção integrada de todos os agentes que na cidade trabalham com esta problemática.

O Centro de Acolhimento do Beato gerido pela VITAE, com capacidade para 270 camas, funciona em edifício municipal desde 1999, como resposta de alojamento de emergência/inserção, apoiado em 20% pelo município e que preconiza uma redução progressiva do número de utentes, com uma alteração da resposta por si assegurada, introduzindo duas comunidades de inserção, uma para 30 utentes do sexo masculino e outra para 18 utentes do sexo feminino, 24 horas por dia, o que implica a alteração do vínculo e respostas até então existente com a autarquia.

O Centro de Acolhimento Temporário da Graça, gerido pela AMI é um equipamento com capacidade atual de 25 camas, funcionando em edifício municipal desde 1995, como resposta de alojamento e apoiado em 100% pela autarquia. Com este protocolo revê e reformula a adequação da colaboração entre a CML e a AMI, no que concerne ao funcionamento do Centro, no sentido de oferecer uma resposta mais eficaz às novas e complexas situações que se apresentam na cidade.

Documentos
Documento em formato application/pdf Intervenção Vereador na assinatura dos Protocolos AMI e VITAE37 Kb